Ter sucesso antes dos 35 anos é possível

Além de investir numa boa ideia, é preciso traçar um planejamento

O mundo da moda sempre esteve presente na vida de Mariana Sisquini Vieira, de 20 anos. A jovem sempre gostou de desenhar as próprias roupas e a criação de peças sempre foi o que mais a instigou. Mas foi seu vestido de formatura do ensino médio o responsável pelo maior incentivo. “Todo mundo amou a peça, minhas amigas pediam para eu desenhar roupas para elas também e isso me incentivou. Fazia tempo que queria me encontrar no mundo da moda e, depois de uma conversa com o meu pai, decidi criar minha própria marca, a Clutch, há um ano”, contou.

Foto: Marcelo Prest – GZ
Desejo realizado: desde criança, Mariana Vieira pensava em ter a sua própria marca. Ela convive com o mundo da moda há anos

Além do pai, a madrinha, que é estilista, e a avó, que é costureira, ajudaram muito a moça com suas experiências. A Clutch estreou no Vitória Moda Show de 2014. “Apesar da ajuda do pai, tive que correr atrás do meu sonho e provar para todo mundo que era uma coisa séria”, afirmou.

Mesmo sendo bastante jovem, Mariana pode ser considerada uma empresária de sucesso. Ela faz parte de uma estatística do Sebrae que aponta que boa parte dos empreendedores tem menos de 34 anos e que 86% deles trabalham sozinhos ou com apenas um sócio.

Foto: Marcelo Prest – GZ
Felipe Netto sempre quis ser dono do próprio negócio. Depois de três anos de planejamento, ele conseguiu abrir sua academia

Outro jovem empreendedor de sucesso é Felipe Netto de Oliveira, de 28 anos. Ele já foi dono de uma lanchonete e de um Banesfácil. Mas, por falta de experiência, esses negócios não foram em frente e hoje ele é dono da Academia Ponto Sports Laranjeiras. Desde os 20 anos, Felipe tinha o sonho de ter o próprio negócio.

“Trabalhei como corretor de imóveis, comprei um carro que depois serviu para dar de entrada para a lanchonete. Quando fechei o estabelecimento, investi no Banesfácil. Acredito que esses dois negócios não deram certo porque não era o que eu realmente gostava. Foi quando decidi investir naquilo que era a minha vocação”, ressaltou.

Felipe Netto conta que conseguiu experiência, mesmo quando as coisas deram errado. Ele destaca que fez um planejamento, procurou o Sebrae, pesquisou e ficou três anos trabalhando no projeto da academia. “O ramo te exige um investimento muito alto e se torna mais difícil para quem quer empreender sozinho. Com a ajuda de um amigo, consegui contato com o dono da Academia Ponto Um de Vila Velha. Com a cara e a coragem, apresentei meu projeto a ele, mostrei como era o mercado de Laranjeiras e o ponto onde seria instalada a academia. Como a ideia dele era expandir seus negócios, acreditou em mim e decidiu entrar como sócio”, lembrou.

O mundo da moda sempre esteve presente na vida de Mariana Sisquini Vieira, de 20 anos. A jovem sempre gostou de desenhar as próprias roupas e a criação de peças sempre foi o que mais a instigou. Mas foi seu vestido de formatura do ensino médio o responsável pelo maior incentivo. “Todo mundo amou a peça, minhas amigas pediam para eu desenhar roupas para elas também e isso me incentivou. Fazia tempo que queria me encontrar no mundo da moda e, depois de uma conversa com o meu pai, decidi criar minha própria marca, a Clutch, há um ano”, contou.

Foto: Divulgação
Chef na Espanha: João Paulo Alcantara sempre foi o cozinheiro da galera. Hoje, aos 30 anos, ele mora na Espanha e cuida da alimentação do lateral direito do Barcelona, Daniel Alves. Junto com o jogador, ele criou a escola de culinária Fogo

Além do pai, a madrinha, que é estilista, e a avó, que é costureira, ajudaram muito a moça com suas experiências. A Clutch estreou no Vitória Moda Show de 2014. “Apesar da ajuda do pai, tive que correr atrás do meu sonho e provar para todo mundo que era uma coisa séria”, afirmou.Mesmo sendo bastante jovem, Mariana pode ser considerada uma empresária de sucesso. Ela faz parte de uma estatística do Sebrae que aponta que boa parte dos empreendedores tem menos de 34 anos e que 86% deles trabalham sozinhos ou com apenas um sócio.

Outro jovem empreendedor de sucesso é Felipe Netto de Oliveira, de 28 anos. Ele já foi dono de uma lanchonete e de um Banesfácil. Mas, por falta de experiência, esses negócios não foram em frente e hoje ele é dono da Academia Ponto Sports Laranjeiras. Desde os 20 anos, Felipe tinha o sonho de ter o próprio negócio.

“Trabalhei como corretor de imóveis, comprei um carro que depois serviu para dar de entrada para a lanchonete. Quando fechei o estabelecimento, investi no Banesfácil. Acredito que esses dois negócios não deram certo porque não era o que eu realmente gostava. Foi quando decidi investir naquilo que era a minha vocação”, ressaltou.

Felipe Netto conta que conseguiu experiência, mesmo quando as coisas deram errado. Ele destaca que fez um planejamento, procurou o Sebrae, pesquisou e ficou três anos trabalhando no projeto da academia. “O ramo te exige um investimento muito alto e se torna mais difícil para quem quer empreender sozinho. Com a ajuda de um amigo, consegui contato com o dono da Academia Ponto Um de Vila Velha. Com a cara e a coragem, apresentei meu projeto a ele, mostrei como era o mercado de Laranjeiras e o ponto onde seria instalada a academia. Como a ideia dele era expandir seus negócios, acreditou em mim e decidiu entrar como sócio”, lembrou.

Planejamento

No entanto, para abrir o próprio negócio não basta apenas ter uma boa ideia. Um planejamento estratégico pode ser a chave do sucesso para quem quer empreender, segundo a analista do Sebrae-ES, Aline Zanoni.

Para ela, a idade tem a ver com a maturidade e planejamento antes de empreender. A analista conta que, depois dos 30, estudos apontam que os empresários já passaram por algum tipo de experiência profissional. “Com isso, essas pessoas conseguem se planejar melhor e tomar decisões baseadas em experiências passadas. Também há casos de pessoas que já iniciam a vida empreendendo”, explicou.

Aline orienta que o jovem empresário precisa, antes de mais nada, buscar informações sobre o ramo que deseja investir, além de captação de recursos. Ela lembra que 29% das empresas fecham antes de um ano de existência e isso reflete na falta de planejamento e busca de informação adequada.

“Além de estudar a viabilidade economica-financeira do negócio, é importante pesquisar sobre o ramo que deseja investir. Muitas vezes, o que ocorre é a definição do negócio sem saber se tem afinidade e conhecimento na área. É importante ter afinidade com o que quer, tem que ter amor. Além do ramo, é preciso identificar quem são seus clientes, fazer um levantamento do público que pretende atender e saber o que o consumidor está exigindo”.

Aline lembra que o Sebrae pode ajudar com o plano de negócios. Nele, é possível prever, por exemplo, quanto de lucro vai gerar e qual o prazo para isso.

No entanto, para abrir o próprio negócio não basta apenas ter uma boa ideia. Um planejamento estratégico pode ser a chave do sucesso para quem quer empreender, segundo a analista do Sebrae-ES, Aline Zanoni.

Foto: Cacá Lima
Das leis à moda: Daniela Barreto, de 28 anos, decidiu deixar a carreira de advogada para se dedicar ao mundo da moda. Há cinco anos ela criou a loja Empório Life, juntamente com o marido Marcelo Fontana

Para ela, a idade tem a ver com a maturidade e planejamento antes de empreender. A analista conta que, depois dos 30, estudos apontam que os empresários já passaram por algum tipo de experiência profissional. “Com isso, essas pessoas conseguem se planejar melhor e tomar decisões baseadas em experiências passadas. Também há casos de pessoas que já iniciam a vida empreendendo”, explicou.

Aline orienta que o jovem empresário precisa, antes de mais nada, buscar informações sobre o ramo que deseja investir, além de captação de recursos. Ela lembra que 29% das empresas fecham antes de um ano de existência e isso reflete na falta de planejamento e busca de informação adequada.

“Além de estudar a viabilidade economica-financeira do negócio, é importante pesquisar sobre o ramo que deseja investir. Muitas vezes, o que ocorre é a definição do negócio sem saber se tem afinidade e conhecimento na área. É importante ter afinidade com o que quer, tem que ter amor. Além do ramo, é preciso identificar quem são seus clientes, fazer um levantamento do público que pretende atender e saber o que o consumidor está exigindo”.

Aline lembra que o Sebrae pode ajudar com o plano de negócios. Nele, é possível prever, por exemplo, quanto de lucro vai gerar e qual o prazo para isso.

Eles são bons exemplos

O chef de cozinha João Paulo Alcântara nunca fez planos para a carreira. Formado em Administração, com MBA em Marketing, ele era cozinheiro oficial da turma e foi assim que descobriu seu talento para servir. Depois de trabalhar em restaurantes de Vitória, do Rio de Janeiro e de São Paulo, ele saiu do país para ganhar o mundo.

Ele cuidou da alimentação dos jogadores da Seleção Brasileira Daniel Alves e Maxwell. “Meu objetivo de morar fora estava longe de trabalhar com atletas e sim com os melhores chefs de cozinha que encontrasse pela frente. Foi o que fiz. Além de uma nova cultura, aprendi muito sobre como o trabalho dignifica”, comentou.

Já a empresária Daniela Barreto, proprietária da Empório Life, precisou convencer a família do ramo jurídico de que o seu sonho era seguir o caminho da moda e não o das leis. Há quase cinco anos, ela e o marido criaram a marca.

“O comércio é muito louco, com uma concorrência grande. Por isso, é necessário ter um diferencial, não basta esperar o cliente entrar na loja. Tenho paixão pelo que faço, estou na loja todos os dias e considero minha equipe como se fosse da família. Ter um bom atendimento para oferecer ao cliente é bem mais do que uma obrigação“, afirmou.

Carla Lorenzon, 36 anos, e Marcela Lorenzon, 33, também têm uma trajetória de sucesso como empreendedoras. A Au’Affetto Semi-Joias, criada por elas há dois anos, conta com mais de 250 clientes em 10 Estados brasileiros. Carla é formada em Direito, gostava da carreira de advogada, mas estava desestimulada. Já Marcela atuava como design de joias em São Paulo e tinha planos de voltar para o Espírito Santo. Foi durante uma conversa que elas decidiram virar sócias e criar a Au’Affetto.

“Nosso sonho é ter uma empresa conhecida nacionalmente, com a mesma qualidade do trabalho prestado hoje, com profissionais gabaritados, afeto e amor em todas as etapas para chegar até a exportar”, ressaltou.

A carreira de médica dermatologista é um sonho de criança de Isabella Redighieri Grando. Após se formar, ela decidiu estudar na França e nos Estados Unidos para ficar ainda mais qualificada.

“A minha dica é sempre escolher a melhor faculdade, a melhor residência e as melhores especializações. Nem sempre o mais fácil é o melhor ou o mais correto. Escolher os melhores vai refletir no futuro”, avaliou.

Dicas dos empreendedores

Potencial
Acreditar no potencial, estudar e ir atrás de tudo. Nada vem de graça.

Amor
Fazer o que gosta é fundamental para o negócio. Quando não há amor pelo que faz, tudo fica mais pesado.

Escolhas
Escolher sempre a melhor faculdade, a melhor residência e as melhores especializações. Nem sempre o mais fácil é o melhor ou o mais correto.

Mercado
Tenha o pé no chão, estude o mercado que deseja entrar, faça um plano de negócios.

Críticas
Saia da zona de conforto o tempo todo. Não tenha medo de recomeçar, aceite as críticas como um trampolim. Evite os elogios que alimentem seu ego. E valorize sua família – essa é sua base.

Ter sucesso antes dos 35 anos é possível

Além de investir numa boa ideia, é preciso traçar um planejamento

O mundo da moda sempre esteve presente na vida de Mariana Sisquini Vieira, de 20 anos. A jovem sempre gostou de desenhar as próprias roupas e a criação de peças sempre foi o que mais a instigou. Mas foi seu vestido de formatura do ensino médio o responsável pelo maior incentivo. “Todo mundo amou a peça, minhas amigas pediam para eu desenhar roupas para elas também e isso me incentivou. Fazia tempo que queria me encontrar no mundo da moda e, depois de uma conversa com o meu pai, decidi criar minha própria marca, a Clutch, há um ano”, contou.

Foto: Marcelo Prest – GZ
Desejo realizado: desde criança, Mariana Vieira pensava em ter a sua própria marca. Ela convive com o mundo da moda há anos

Além do pai, a madrinha, que é estilista, e a avó, que é costureira, ajudaram muito a moça com suas experiências. A Clutch estreou no Vitória Moda Show de 2014. “Apesar da ajuda do pai, tive que correr atrás do meu sonho e provar para todo mundo que era uma coisa séria”, afirmou.

Mesmo sendo bastante jovem, Mariana pode ser considerada uma empresária de sucesso. Ela faz parte de uma estatística do Sebrae que aponta que boa parte dos empreendedores tem menos de 34 anos e que 86% deles trabalham sozinhos ou com apenas um sócio.

Foto: Marcelo Prest – GZ
Felipe Netto sempre quis ser dono do próprio negócio. Depois de três anos de planejamento, ele conseguiu abrir sua academia

Outro jovem empreendedor de sucesso é Felipe Netto de Oliveira, de 28 anos. Ele já foi dono de uma lanchonete e de um Banesfácil. Mas, por falta de experiência, esses negócios não foram em frente e hoje ele é dono da Academia Ponto Sports Laranjeiras. Desde os 20 anos, Felipe tinha o sonho de ter o próprio negócio.

“Trabalhei como corretor de imóveis, comprei um carro que depois serviu para dar de entrada para a lanchonete. Quando fechei o estabelecimento, investi no Banesfácil. Acredito que esses dois negócios não deram certo porque não era o que eu realmente gostava. Foi quando decidi investir naquilo que era a minha vocação”, ressaltou.

Felipe Netto conta que conseguiu experiência, mesmo quando as coisas deram errado. Ele destaca que fez um planejamento, procurou o Sebrae, pesquisou e ficou três anos trabalhando no projeto da academia. “O ramo te exige um investimento muito alto e se torna mais difícil para quem quer empreender sozinho. Com a ajuda de um amigo, consegui contato com o dono da Academia Ponto Um de Vila Velha. Com a cara e a coragem, apresentei meu projeto a ele, mostrei como era o mercado de Laranjeiras e o ponto onde seria instalada a academia. Como a ideia dele era expandir seus negócios, acreditou em mim e decidiu entrar como sócio”, lembrou.

O mundo da moda sempre esteve presente na vida de Mariana Sisquini Vieira, de 20 anos. A jovem sempre gostou de desenhar as próprias roupas e a criação de peças sempre foi o que mais a instigou. Mas foi seu vestido de formatura do ensino médio o responsável pelo maior incentivo. “Todo mundo amou a peça, minhas amigas pediam para eu desenhar roupas para elas também e isso me incentivou. Fazia tempo que queria me encontrar no mundo da moda e, depois de uma conversa com o meu pai, decidi criar minha própria marca, a Clutch, há um ano”, contou.

Foto: Divulgação
Chef na Espanha: João Paulo Alcantara sempre foi o cozinheiro da galera. Hoje, aos 30 anos, ele mora na Espanha e cuida da alimentação do lateral direito do Barcelona, Daniel Alves. Junto com o jogador, ele criou a escola de culinária Fogo

Além do pai, a madrinha, que é estilista, e a avó, que é costureira, ajudaram muito a moça com suas experiências. A Clutch estreou no Vitória Moda Show de 2014. “Apesar da ajuda do pai, tive que correr atrás do meu sonho e provar para todo mundo que era uma coisa séria”, afirmou.Mesmo sendo bastante jovem, Mariana pode ser considerada uma empresária de sucesso. Ela faz parte de uma estatística do Sebrae que aponta que boa parte dos empreendedores tem menos de 34 anos e que 86% deles trabalham sozinhos ou com apenas um sócio.

Outro jovem empreendedor de sucesso é Felipe Netto de Oliveira, de 28 anos. Ele já foi dono de uma lanchonete e de um Banesfácil. Mas, por falta de experiência, esses negócios não foram em frente e hoje ele é dono da Academia Ponto Sports Laranjeiras. Desde os 20 anos, Felipe tinha o sonho de ter o próprio negócio.

“Trabalhei como corretor de imóveis, comprei um carro que depois serviu para dar de entrada para a lanchonete. Quando fechei o estabelecimento, investi no Banesfácil. Acredito que esses dois negócios não deram certo porque não era o que eu realmente gostava. Foi quando decidi investir naquilo que era a minha vocação”, ressaltou.

Felipe Netto conta que conseguiu experiência, mesmo quando as coisas deram errado. Ele destaca que fez um planejamento, procurou o Sebrae, pesquisou e ficou três anos trabalhando no projeto da academia. “O ramo te exige um investimento muito alto e se torna mais difícil para quem quer empreender sozinho. Com a ajuda de um amigo, consegui contato com o dono da Academia Ponto Um de Vila Velha. Com a cara e a coragem, apresentei meu projeto a ele, mostrei como era o mercado de Laranjeiras e o ponto onde seria instalada a academia. Como a ideia dele era expandir seus negócios, acreditou em mim e decidiu entrar como sócio”, lembrou.

Planejamento

No entanto, para abrir o próprio negócio não basta apenas ter uma boa ideia. Um planejamento estratégico pode ser a chave do sucesso para quem quer empreender, segundo a analista do Sebrae-ES, Aline Zanoni.

Para ela, a idade tem a ver com a maturidade e planejamento antes de empreender. A analista conta que, depois dos 30, estudos apontam que os empresários já passaram por algum tipo de experiência profissional. “Com isso, essas pessoas conseguem se planejar melhor e tomar decisões baseadas em experiências passadas. Também há casos de pessoas que já iniciam a vida empreendendo”, explicou.

Aline orienta que o jovem empresário precisa, antes de mais nada, buscar informações sobre o ramo que deseja investir, além de captação de recursos. Ela lembra que 29% das empresas fecham antes de um ano de existência e isso reflete na falta de planejamento e busca de informação adequada.

“Além de estudar a viabilidade economica-financeira do negócio, é importante pesquisar sobre o ramo que deseja investir. Muitas vezes, o que ocorre é a definição do negócio sem saber se tem afinidade e conhecimento na área. É importante ter afinidade com o que quer, tem que ter amor. Além do ramo, é preciso identificar quem são seus clientes, fazer um levantamento do público que pretende atender e saber o que o consumidor está exigindo”.

Aline lembra que o Sebrae pode ajudar com o plano de negócios. Nele, é possível prever, por exemplo, quanto de lucro vai gerar e qual o prazo para isso.

No entanto, para abrir o próprio negócio não basta apenas ter uma boa ideia. Um planejamento estratégico pode ser a chave do sucesso para quem quer empreender, segundo a analista do Sebrae-ES, Aline Zanoni.

Foto: Cacá Lima
Das leis à moda: Daniela Barreto, de 28 anos, decidiu deixar a carreira de advogada para se dedicar ao mundo da moda. Há cinco anos ela criou a loja Empório Life, juntamente com o marido Marcelo Fontana

Para ela, a idade tem a ver com a maturidade e planejamento antes de empreender. A analista conta que, depois dos 30, estudos apontam que os empresários já passaram por algum tipo de experiência profissional. “Com isso, essas pessoas conseguem se planejar melhor e tomar decisões baseadas em experiências passadas. Também há casos de pessoas que já iniciam a vida empreendendo”, explicou.

Aline orienta que o jovem empresário precisa, antes de mais nada, buscar informações sobre o ramo que deseja investir, além de captação de recursos. Ela lembra que 29% das empresas fecham antes de um ano de existência e isso reflete na falta de planejamento e busca de informação adequada.

“Além de estudar a viabilidade economica-financeira do negócio, é importante pesquisar sobre o ramo que deseja investir. Muitas vezes, o que ocorre é a definição do negócio sem saber se tem afinidade e conhecimento na área. É importante ter afinidade com o que quer, tem que ter amor. Além do ramo, é preciso identificar quem são seus clientes, fazer um levantamento do público que pretende atender e saber o que o consumidor está exigindo”.

Aline lembra que o Sebrae pode ajudar com o plano de negócios. Nele, é possível prever, por exemplo, quanto de lucro vai gerar e qual o prazo para isso.

Eles são bons exemplos

O chef de cozinha João Paulo Alcântara nunca fez planos para a carreira. Formado em Administração, com MBA em Marketing, ele era cozinheiro oficial da turma e foi assim que descobriu seu talento para servir. Depois de trabalhar em restaurantes de Vitória, do Rio de Janeiro e de São Paulo, ele saiu do país para ganhar o mundo.

Ele cuidou da alimentação dos jogadores da Seleção Brasileira Daniel Alves e Maxwell. “Meu objetivo de morar fora estava longe de trabalhar com atletas e sim com os melhores chefs de cozinha que encontrasse pela frente. Foi o que fiz. Além de uma nova cultura, aprendi muito sobre como o trabalho dignifica”, comentou.

Já a empresária Daniela Barreto, proprietária da Empório Life, precisou convencer a família do ramo jurídico de que o seu sonho era seguir o caminho da moda e não o das leis. Há quase cinco anos, ela e o marido criaram a marca.

“O comércio é muito louco, com uma concorrência grande. Por isso, é necessário ter um diferencial, não basta esperar o cliente entrar na loja. Tenho paixão pelo que faço, estou na loja todos os dias e considero minha equipe como se fosse da família. Ter um bom atendimento para oferecer ao cliente é bem mais do que uma obrigação“, afirmou.

Carla Lorenzon, 36 anos, e Marcela Lorenzon, 33, também têm uma trajetória de sucesso como empreendedoras. A Au’Affetto Semi-Joias, criada por elas há dois anos, conta com mais de 250 clientes em 10 Estados brasileiros. Carla é formada em Direito, gostava da carreira de advogada, mas estava desestimulada. Já Marcela atuava como design de joias em São Paulo e tinha planos de voltar para o Espírito Santo. Foi durante uma conversa que elas decidiram virar sócias e criar a Au’Affetto.

“Nosso sonho é ter uma empresa conhecida nacionalmente, com a mesma qualidade do trabalho prestado hoje, com profissionais gabaritados, afeto e amor em todas as etapas para chegar até a exportar”, ressaltou.

A carreira de médica dermatologista é um sonho de criança de Isabella Redighieri Grando. Após se formar, ela decidiu estudar na França e nos Estados Unidos para ficar ainda mais qualificada.

“A minha dica é sempre escolher a melhor faculdade, a melhor residência e as melhores especializações. Nem sempre o mais fácil é o melhor ou o mais correto. Escolher os melhores vai refletir no futuro”, avaliou.

Dicas dos empreendedores

Potencial
Acreditar no potencial, estudar e ir atrás de tudo. Nada vem de graça.

Amor
Fazer o que gosta é fundamental para o negócio. Quando não há amor pelo que faz, tudo fica mais pesado.

Escolhas
Escolher sempre a melhor faculdade, a melhor residência e as melhores especializações. Nem sempre o mais fácil é o melhor ou o mais correto.

Mercado
Tenha o pé no chão, estude o mercado que deseja entrar, faça um plano de negócios.

Críticas
Saia da zona de conforto o tempo todo. Não tenha medo de recomeçar, aceite as críticas como um trampolim. Evite os elogios que alimentem seu ego. E valorize sua família – essa é sua base.