Para brasileiros, universidades devem focar no mercado de trabalho

A maioria dos estudantes brasileiros entrevistados em uma pesquisa mundial (78%) disseram que, no futuro, a maioria dos cursos deverá ensinar habilidades com foco na carreira. A pesquisa da Laureate International Universities ouviu 20.800 estudantes de 37 instituições dentro de um grupo em 21 países.

No Brasil, a análise envolveu 4,3 mil estudantes, de nove instituições do grupo.

Universidade Anhembi Morumbi, UniNorte (Centro Universitário do Norte), UNIFACS (Universidade Salvador), UniRitter (Centro Universitário Ritter dos Reis), Centro Universitário IBMR, UnP (Universidade Potiguar), FADERGS (Faculdade de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul), FG (Faculdade dos Guararapes), FPB (Faculdade Internacional da Paraíba).

Mercado de trabalho
Sobre o mercado de trabalho, 74% dos alunos brasileiros dizem acreditar que os empregadores deveriam oferecer estágios pagos durante o curso. Também gostariam (64%) de que os gestores de empresas tivessem papel crucial no planejamento de cursos universitários e, assim, os ajudassem a encontrar emprego.

No mundo, os estudantes revelam grande expectativa de que a educação será direcionada para formação de profissionais que acompanhem as necessidades do mercado, que tendem a evoluir permanentemente.

Os alunos consultados apontaram que a “universidade do futuro” será acessível, flexível, inovadora e preocupada em formar profissionais alinhados com as reais necessidades do mercado de trabalho.

Os estudantes preveem horário de aulas flexível, educação semipresencial e processo de aprendizagem contínuo durante toda a vida, por meio de programas de graduação, especialização e cursos livres direcionados às necessidades de mercado. Assim, eles consideram que estarão sempre atualizados.

Para o presidente da Laureate, Douglas L. Becker, o resultado do estudo mostra que “o futuro pertence aos inovadores, pois são eles que terão sucesso num mercado em constante evolução”.

No total, 61% dos estudantes consultados ao redor do mundo disseram acreditar que a maioria dos cursos oferecidos pelas universidades no futuro será projetada por especialistas da indústria. Para 64% deles, esses cursos serão oferecidos em várias línguas, para facilitar a inserção dos alunos no mercado de trabalho.

— A pesquisa demonstra que o principal objetivo do ensino superior, principalmente nos países em desenvolvimento, é preparar os alunos para o mercado de trabalho. Em todos os países pesquisados, o principal objetivo dos estudantes é a aplicação do conhecimento teórico e prático na vida real.

Fonte: R7

Para brasileiros, universidades devem focar no mercado de trabalho

A maioria dos estudantes brasileiros entrevistados em uma pesquisa mundial (78%) disseram que, no futuro, a maioria dos cursos deverá ensinar habilidades com foco na carreira. A pesquisa da Laureate International Universities ouviu 20.800 estudantes de 37 instituições dentro de um grupo em 21 países.

No Brasil, a análise envolveu 4,3 mil estudantes, de nove instituições do grupo.

Universidade Anhembi Morumbi, UniNorte (Centro Universitário do Norte), UNIFACS (Universidade Salvador), UniRitter (Centro Universitário Ritter dos Reis), Centro Universitário IBMR, UnP (Universidade Potiguar), FADERGS (Faculdade de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul), FG (Faculdade dos Guararapes), FPB (Faculdade Internacional da Paraíba).

Mercado de trabalho
Sobre o mercado de trabalho, 74% dos alunos brasileiros dizem acreditar que os empregadores deveriam oferecer estágios pagos durante o curso. Também gostariam (64%) de que os gestores de empresas tivessem papel crucial no planejamento de cursos universitários e, assim, os ajudassem a encontrar emprego.

No mundo, os estudantes revelam grande expectativa de que a educação será direcionada para formação de profissionais que acompanhem as necessidades do mercado, que tendem a evoluir permanentemente.

Os alunos consultados apontaram que a “universidade do futuro” será acessível, flexível, inovadora e preocupada em formar profissionais alinhados com as reais necessidades do mercado de trabalho.

Os estudantes preveem horário de aulas flexível, educação semipresencial e processo de aprendizagem contínuo durante toda a vida, por meio de programas de graduação, especialização e cursos livres direcionados às necessidades de mercado. Assim, eles consideram que estarão sempre atualizados.

Para o presidente da Laureate, Douglas L. Becker, o resultado do estudo mostra que “o futuro pertence aos inovadores, pois são eles que terão sucesso num mercado em constante evolução”.

No total, 61% dos estudantes consultados ao redor do mundo disseram acreditar que a maioria dos cursos oferecidos pelas universidades no futuro será projetada por especialistas da indústria. Para 64% deles, esses cursos serão oferecidos em várias línguas, para facilitar a inserção dos alunos no mercado de trabalho.

— A pesquisa demonstra que o principal objetivo do ensino superior, principalmente nos países em desenvolvimento, é preparar os alunos para o mercado de trabalho. Em todos os países pesquisados, o principal objetivo dos estudantes é a aplicação do conhecimento teórico e prático na vida real.

Fonte: R7