Marca-passo de laboratório é esperança para pacientes

Cansaço, tontura, fraqueza e até desmaio pode experimentar quem é vítima de bradicardia, um problema causado quando há registro de menos do que 50 batimentos cardíacos por minuto.
Em muitos casos, a saída é uma só: instalar um marca-passo artificial, uma prótese contendo dentro dela um gerador do tamanho de uma caixa de fósforos, de onde saem eletrodos (fios) conectados ao músculo do coração, para fazê-lo contrair, levando o sangue para o pulmão e o restante do organismo.

Clique na imagem para ampliá-la

A cada ano, milhões de marca-passos são instalados em pessoas em todo o mundo. Agora imagine alguém com bradicardia que possa ter seu problema resolvido sem precisar sair por aí carregando uma prótese implantada no peito.
Avanços
Estudos para tornar esse sonho realidade já existem. Um exemplo envolve a criação de células modificadas em laboratório que funcionam como um marca-passo biológico, capaz de gerar o impulso elétrico que faz o coração bater de maneira normal, entre 50 e 100 batimentos por minuto.
Os últimos estudos de descoberta do marca-passo biológico foram feitos por cientistas americanos do Instituto do Coração Cedars-Sinai, de Los Angeles, que injetaram um gene humano capaz de criar células cardíacas no coração de porcos com batimento irregular e lento.
O médico Fabrício Vassalo, especialista na área, explica que o marca-passo biológico nada mais é do que a formação de células que transmitem impulso elétrico, aplicando-se em casos onde há problema na geração desse impulso, o que impede que o coração bata corretamente.
Mas essa terapia genética, em fase embrionária, ainda está longe dos testes com seres humanos. E é importante ressaltar que depois de duas semanas batendo em ritmo certo, os corações da maioria dos porcos voltaram a apresentar problemas. As pesquisas, no entanto, avançam.
Para entender
Bradicardia
É a diminuição na frequência cardíaca. O normal no ser humano é uma frequência cardíaca entre 50 e 100 batimentos por minuto, em repouso. Abaixo de 50 batimentos constitui bradicardia.

Taquicardia
É o aumento da frequência cardíaca, a partir de 100 batimentos por minuto.

Marca-passo de laboratório é esperança para pacientes

Cansaço, tontura, fraqueza e até desmaio pode experimentar quem é vítima de bradicardia, um problema causado quando há registro de menos do que 50 batimentos cardíacos por minuto.
Em muitos casos, a saída é uma só: instalar um marca-passo artificial, uma prótese contendo dentro dela um gerador do tamanho de uma caixa de fósforos, de onde saem eletrodos (fios) conectados ao músculo do coração, para fazê-lo contrair, levando o sangue para o pulmão e o restante do organismo.

Clique na imagem para ampliá-la

A cada ano, milhões de marca-passos são instalados em pessoas em todo o mundo. Agora imagine alguém com bradicardia que possa ter seu problema resolvido sem precisar sair por aí carregando uma prótese implantada no peito.
Avanços
Estudos para tornar esse sonho realidade já existem. Um exemplo envolve a criação de células modificadas em laboratório que funcionam como um marca-passo biológico, capaz de gerar o impulso elétrico que faz o coração bater de maneira normal, entre 50 e 100 batimentos por minuto.
Os últimos estudos de descoberta do marca-passo biológico foram feitos por cientistas americanos do Instituto do Coração Cedars-Sinai, de Los Angeles, que injetaram um gene humano capaz de criar células cardíacas no coração de porcos com batimento irregular e lento.
O médico Fabrício Vassalo, especialista na área, explica que o marca-passo biológico nada mais é do que a formação de células que transmitem impulso elétrico, aplicando-se em casos onde há problema na geração desse impulso, o que impede que o coração bata corretamente.
Mas essa terapia genética, em fase embrionária, ainda está longe dos testes com seres humanos. E é importante ressaltar que depois de duas semanas batendo em ritmo certo, os corações da maioria dos porcos voltaram a apresentar problemas. As pesquisas, no entanto, avançam.
Para entender
Bradicardia
É a diminuição na frequência cardíaca. O normal no ser humano é uma frequência cardíaca entre 50 e 100 batimentos por minuto, em repouso. Abaixo de 50 batimentos constitui bradicardia.

Taquicardia
É o aumento da frequência cardíaca, a partir de 100 batimentos por minuto.