Estudo revela as 50 marcas mais valiosas da América Latina

Estudo que revela as marcas mais valiosas da América latina, aponta, pelo segundo ano consecutivo, a marca de cerveja mexicana Corona como primeira colocada. O ranking BrandZTM, revela que, com um valor de US$8 bilhões após um aumento de 21% em valor de marca, a força da marca Corona reflete um sólido posicionamento e o sentimento positivo dos consumidores em relação à marca, tanto no México como no exterior. A avaliação foi realizada pela Millward Brown Vermeer em conjunto com a WPP.

valor

Este ano, o valor total das 50 marcas mais valiosas teve uma queda de 4,5% comparado a 2013, diminuindo de US$135,3 bilhões a US$ 129,2 bilhões de dólares. Apesar disso, três setores cresceram: Cerveja (13%), Alimentação (21%) e Varejo (14%). As marcas de sucesso nesses setores aperfeiçoaram suas propostas de valor para continuarem a ser relevantes aos consumidores Latinoamericanos, na medida que eles foram se tornando mais prósperos e incrementaram o seu poder de compra: em especial através da implementação de estratégias para atender a crescente expansão da classe média.

Com maior proporção em valor do valor total do ranking, as marcas mexicanas passam de 29% a 33%, lideradas pelas boas perfomances das marcas de cerveja, operadoras de telecomunicação, varejo e instituições financeiras. Já as marcas brasileiras caíram de 28% para 24%, após a forte queda da bolsa de valores no país. O Chile, com domínio das bem posicionadas marcas do setor varejista, aumentou sua contribuição de 19% para 20%. A Colombia (16%) e o Peru (4%) mantiveram suas posições – com maiores contribuições das instituições financeiras na Colombia e cervejas no Peru. Já na Argentina (1%) a contribuição é impulsionada pela petroleira YPF.

Para Eduardo Tomiya, Diretor Geral da Millward Brown Vermmer, 2014 foi um ótimo ano para marcas de bens de consumo (crescimento de 9%) e marcas do varejo (crescimento de 14%), “por terem se mantido altamente relevante frente às necessidades dos consumidores”. “As marcas que souberam se posicionar diante desse consumidor da classe média, mais exigente e com maior poder de compra, aumentaram substancialmente seu valor na região. Enquanto àquelas que não tiveram tanto sucesso em aproveitar esse novo cenário, como marcas do setor de telecomunicações, ou as que tiveram que restringir suas atividades de construção de marca, como instituições financeiras, apresentaram queda em valor”, completou Tomiya.

Atender às necessidades da classe média realmente implicaram em crescimento em valor: marcas de bens de consumo e varejo se destacaram, incluindo Brahma, que criou a Brahma Fresh para competir com cervejas baratas no Nordeste, e Falabella e Sodimac que cresceram 14% em valor ao satisfazer com sucesso as necessidades da crescente classe média.

Confira o ranking completo das 50 marcas mais valiosas da América Latina aqui.

As 10 marcas mais valiosas do Brasil:

Fonte: Administradores

Estudo revela as 50 marcas mais valiosas da América Latina

Estudo que revela as marcas mais valiosas da América latina, aponta, pelo segundo ano consecutivo, a marca de cerveja mexicana Corona como primeira colocada. O ranking BrandZTM, revela que, com um valor de US$8 bilhões após um aumento de 21% em valor de marca, a força da marca Corona reflete um sólido posicionamento e o sentimento positivo dos consumidores em relação à marca, tanto no México como no exterior. A avaliação foi realizada pela Millward Brown Vermeer em conjunto com a WPP.

valor

Este ano, o valor total das 50 marcas mais valiosas teve uma queda de 4,5% comparado a 2013, diminuindo de US$135,3 bilhões a US$ 129,2 bilhões de dólares. Apesar disso, três setores cresceram: Cerveja (13%), Alimentação (21%) e Varejo (14%). As marcas de sucesso nesses setores aperfeiçoaram suas propostas de valor para continuarem a ser relevantes aos consumidores Latinoamericanos, na medida que eles foram se tornando mais prósperos e incrementaram o seu poder de compra: em especial através da implementação de estratégias para atender a crescente expansão da classe média.

Com maior proporção em valor do valor total do ranking, as marcas mexicanas passam de 29% a 33%, lideradas pelas boas perfomances das marcas de cerveja, operadoras de telecomunicação, varejo e instituições financeiras. Já as marcas brasileiras caíram de 28% para 24%, após a forte queda da bolsa de valores no país. O Chile, com domínio das bem posicionadas marcas do setor varejista, aumentou sua contribuição de 19% para 20%. A Colombia (16%) e o Peru (4%) mantiveram suas posições – com maiores contribuições das instituições financeiras na Colombia e cervejas no Peru. Já na Argentina (1%) a contribuição é impulsionada pela petroleira YPF.

Para Eduardo Tomiya, Diretor Geral da Millward Brown Vermmer, 2014 foi um ótimo ano para marcas de bens de consumo (crescimento de 9%) e marcas do varejo (crescimento de 14%), “por terem se mantido altamente relevante frente às necessidades dos consumidores”. “As marcas que souberam se posicionar diante desse consumidor da classe média, mais exigente e com maior poder de compra, aumentaram substancialmente seu valor na região. Enquanto àquelas que não tiveram tanto sucesso em aproveitar esse novo cenário, como marcas do setor de telecomunicações, ou as que tiveram que restringir suas atividades de construção de marca, como instituições financeiras, apresentaram queda em valor”, completou Tomiya.

Atender às necessidades da classe média realmente implicaram em crescimento em valor: marcas de bens de consumo e varejo se destacaram, incluindo Brahma, que criou a Brahma Fresh para competir com cervejas baratas no Nordeste, e Falabella e Sodimac que cresceram 14% em valor ao satisfazer com sucesso as necessidades da crescente classe média.

Confira o ranking completo das 50 marcas mais valiosas da América Latina aqui.

As 10 marcas mais valiosas do Brasil:

Fonte: Administradores