Em Vitória, há 1 carro para cada 2 habitantes

A frota de Vitória teve um crescimento de 60% na última década. Em todos os anos houve aumento e, atualmente, a cidade conta com a proporção de um carro para dois habitantes. Em 2003, eram 76.217 automóveis, enquanto, até julho deste ano, já foram contabilizados 121.306. Em 10 anos, foram 13 veículos novos circulando a cada dia.

Os números são do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e mostram que o crescimento foi progressivo ao longo dos anos. Esse aumento, causado por diversos fatores como a facilitação dos financiamentos, representa um desafio para a organização do tráfego e também a preparação da população para enfrentar o trânsito.

“Tudo isso demanda um maior cuidado com a infraestrutura, com vias preparadas e bem sinalizadas”, diz o diretor técnico do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-ES), Tarcílio Deorce.

Sobretudo há um cuidado na educação, por conta do crescimento do parcela da população que tem acesso ao carro. “Em todas as escolas municipais da Capital os alunos do primeiro ao quinto ano receberam a educação para o trânsito nas disciplinas comuns. Estamos tentando colocar em prática programas também nas escolas de ensino médio em 2014“, conta o diretor técnico.

Com tantos carros nas ruas e os números aumentando ainda mais a cada ano, é necessário pensar em formas de melhorar a mobilidade urbana, até para diminuir a quantidade de automóveis circulando no dia a dia.

“O BRT é uma maneira de facilitar o transporte público, com maior velocidade e conforto, o que pode atrair quem hoje usa o carro”, diz a engenheira de transportes Gesiane Pereira.

Entretanto, para resolver os problemas do tráfego são necessárias outras ações, como as que estimulam o uso de bicicletas e a carona. “Há ideias usadas pelo mundo em que as pessoas que estão dando carona têm desconto no pedágio ou faixa exclusiva. O rodízio de placas não é tão bom porque muita gente compra outro carro”, diz Gesiane.

Sete habitantes para cada motocicleta

A quantidade de motocicletas teve um aumento bastante expressivo em 11 anos. Se em 2002 haviam 27 pessoas para cada moto circulando no Espírito Santo, dados da Associação Brasileira de Fabricantes de Motocicletas e Similares (Abraciclo) mostram que em 2013 a proporção já é de sete pessoas para cada veículo.

Os motivos para o crescimento são principalmente a facilidade para compra, o baixo custo da manutenção e o menor gasto com combustível, que fizeram com que houvesse uma tendência no investimento em motos principalmente como primeiro veículo.

Atualmente, as motos mais baratas ficam em um valor de cerca de R$ 5 mil. “Antes motocicleta só era comprada em consórcio. Com o financiamento e prestações em cerca de R$ 145 tornou-se o meio de transporte ideal para quem tem renda apertada”, diz o diretor executivo do Sindicato de Concessionários e Distribuidores de veículos no Estado, José Francisco Costa.

Nos últimos anos, entretanto, o número de vendas sofreu uma desaceleração e as parcelas aumentaram, o que pode frear a disseminação das motocicletas.

SAIBA MAIS

Vitória, 60% em 10 anos
Número de automóveis
– Até julho de 2013: 121.306
– 2012: 119.310
– 2011: 115.536
– 2010: 109.305
– 2009: 107.054
– 2008: 99.669
– 2007: 94.592
– 2006: 87.972
– 2005: 82.775
– 2004: 79.643
– 2003: 76.217

Habitante por automóvel em Vitória
Média atual
2,87 pessoas para cada carro

Década a década – Espírito Santo
Automóveis
Anos 90: 282.555
2000: 300.192
2010: 653.018

Motocicletas no Espírito Santo
– Em 2013: 447.474, média de 7 pessoas para cada moto

– Em 2002: 114.058, média de 27 pessoas para cada moto
Fonte: Gazeta Online

Em Vitória, há 1 carro para cada 2 habitantes

A frota de Vitória teve um crescimento de 60% na última década. Em todos os anos houve aumento e, atualmente, a cidade conta com a proporção de um carro para dois habitantes. Em 2003, eram 76.217 automóveis, enquanto, até julho deste ano, já foram contabilizados 121.306. Em 10 anos, foram 13 veículos novos circulando a cada dia.

Os números são do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e mostram que o crescimento foi progressivo ao longo dos anos. Esse aumento, causado por diversos fatores como a facilitação dos financiamentos, representa um desafio para a organização do tráfego e também a preparação da população para enfrentar o trânsito.

“Tudo isso demanda um maior cuidado com a infraestrutura, com vias preparadas e bem sinalizadas”, diz o diretor técnico do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-ES), Tarcílio Deorce.

Sobretudo há um cuidado na educação, por conta do crescimento do parcela da população que tem acesso ao carro. “Em todas as escolas municipais da Capital os alunos do primeiro ao quinto ano receberam a educação para o trânsito nas disciplinas comuns. Estamos tentando colocar em prática programas também nas escolas de ensino médio em 2014“, conta o diretor técnico.

Com tantos carros nas ruas e os números aumentando ainda mais a cada ano, é necessário pensar em formas de melhorar a mobilidade urbana, até para diminuir a quantidade de automóveis circulando no dia a dia.

“O BRT é uma maneira de facilitar o transporte público, com maior velocidade e conforto, o que pode atrair quem hoje usa o carro”, diz a engenheira de transportes Gesiane Pereira.

Entretanto, para resolver os problemas do tráfego são necessárias outras ações, como as que estimulam o uso de bicicletas e a carona. “Há ideias usadas pelo mundo em que as pessoas que estão dando carona têm desconto no pedágio ou faixa exclusiva. O rodízio de placas não é tão bom porque muita gente compra outro carro”, diz Gesiane.

Sete habitantes para cada motocicleta

A quantidade de motocicletas teve um aumento bastante expressivo em 11 anos. Se em 2002 haviam 27 pessoas para cada moto circulando no Espírito Santo, dados da Associação Brasileira de Fabricantes de Motocicletas e Similares (Abraciclo) mostram que em 2013 a proporção já é de sete pessoas para cada veículo.

Os motivos para o crescimento são principalmente a facilidade para compra, o baixo custo da manutenção e o menor gasto com combustível, que fizeram com que houvesse uma tendência no investimento em motos principalmente como primeiro veículo.

Atualmente, as motos mais baratas ficam em um valor de cerca de R$ 5 mil. “Antes motocicleta só era comprada em consórcio. Com o financiamento e prestações em cerca de R$ 145 tornou-se o meio de transporte ideal para quem tem renda apertada”, diz o diretor executivo do Sindicato de Concessionários e Distribuidores de veículos no Estado, José Francisco Costa.

Nos últimos anos, entretanto, o número de vendas sofreu uma desaceleração e as parcelas aumentaram, o que pode frear a disseminação das motocicletas.

SAIBA MAIS

Vitória, 60% em 10 anos
Número de automóveis
– Até julho de 2013: 121.306
– 2012: 119.310
– 2011: 115.536
– 2010: 109.305
– 2009: 107.054
– 2008: 99.669
– 2007: 94.592
– 2006: 87.972
– 2005: 82.775
– 2004: 79.643
– 2003: 76.217

Habitante por automóvel em Vitória
Média atual
2,87 pessoas para cada carro

Década a década – Espírito Santo
Automóveis
Anos 90: 282.555
2000: 300.192
2010: 653.018

Motocicletas no Espírito Santo
– Em 2013: 447.474, média de 7 pessoas para cada moto

– Em 2002: 114.058, média de 27 pessoas para cada moto
Fonte: Gazeta Online