Educação é saída para crise econômica, aponta Marcelo Neri

A educação é a chave de saída para a crise econômica que o mundo vive hoje. Essa é a conclusão do ministro interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) e presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, e do senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

Os dois participaram da mesa de abertura da conferência “Crise Econômica Global e Perspectivas para Economias Emergentes”, realizada pelo Ipea nesta segunda-feira, em Brasília.

Para Buarque, será “difícil a Europa sair da crise e voltar ao padrão de consumo anterior”. Assim, explicou o senador, será necessário um rearranjo na renda do trabalhador e na sua jornada de trabalho, com uma redução em ambos, o que levará também a uma queda do Produto Interno Bruto (PIB).

Mas para que isso aconteça, acrescentou Buarque, é necessário acabar “com o propósito obstinado de aumentar o PIB a qualquer custo” e colocar o emprego no centro das discussões econômicas.

Neri aproveitou a fala do senador para introduzir o Brasil na discussão. Ele ressaltou “o caso difícil de entender” que é o país, já que o “Brasil não teve bom desempenho [no crescimento do PIB], em particular nos últimos dois anos, mas com geração de emprego e crescimento da renda do trabalhador”.

Ele apontou ainda uma queda de 0,7% na jornada de trabalho do brasileiro nos últimos doze anos. Todos esses fatores acontecem em meio ao fim do bônus demográfico que o Brasil viveu, apontou o ministro.

Assim, “a educação é fundamental para fechar essa equação, já que não serão tantos trabalhadores, mas mais bem formados”, concluiu Neri.

Por Lucas Marchesini

Fonte: Valor Econômico

Educação é saída para crise econômica, aponta Marcelo Neri

A educação é a chave de saída para a crise econômica que o mundo vive hoje. Essa é a conclusão do ministro interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) e presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, e do senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

Os dois participaram da mesa de abertura da conferência “Crise Econômica Global e Perspectivas para Economias Emergentes”, realizada pelo Ipea nesta segunda-feira, em Brasília.

Para Buarque, será “difícil a Europa sair da crise e voltar ao padrão de consumo anterior”. Assim, explicou o senador, será necessário um rearranjo na renda do trabalhador e na sua jornada de trabalho, com uma redução em ambos, o que levará também a uma queda do Produto Interno Bruto (PIB).

Mas para que isso aconteça, acrescentou Buarque, é necessário acabar “com o propósito obstinado de aumentar o PIB a qualquer custo” e colocar o emprego no centro das discussões econômicas.

Neri aproveitou a fala do senador para introduzir o Brasil na discussão. Ele ressaltou “o caso difícil de entender” que é o país, já que o “Brasil não teve bom desempenho [no crescimento do PIB], em particular nos últimos dois anos, mas com geração de emprego e crescimento da renda do trabalhador”.

Ele apontou ainda uma queda de 0,7% na jornada de trabalho do brasileiro nos últimos doze anos. Todos esses fatores acontecem em meio ao fim do bônus demográfico que o Brasil viveu, apontou o ministro.

Assim, “a educação é fundamental para fechar essa equação, já que não serão tantos trabalhadores, mas mais bem formados”, concluiu Neri.

Por Lucas Marchesini

Fonte: Valor Econômico