Custo Brasil faz trabalhador reverter cinco salários em impostos

Apenas a partir do mês de junho é que os brasileiros começam a “receber” seu próprio salário. Como assim? Simples, tudo que foi trabalhado até agora foi só para pagar imposto. “O pior é que não podemos exigir uma contraprestação – por isso se chama imposto. Pagamos caro, e não temos infraestrutura, saneamento básico, qualidade no sistema público de saúde, o transporte também é ineficiente. Não é justo que o contribuinte arque com a ineficiência do Governo”, explica a Coordenadora do curso de Ciências Contábeis da Faculdade PIO XII, Tamires Endringer.

Segundo a Professora, além do recuo que o contribuinte tem em empreender, o próprio governo impõe limites de faturamento para os negócios. “Se as empresas faturam mais que o previsto, assumem obrigatoriamente uma altíssima carga tributária, inviabilizando ainda mais o negócio”, explica. Para ela, o caminho para a retomada do crescimento não é o aumento da carga tributária, mas sim as reformas tributária, previdenciária e trabalhista.

A carga tributária do Brasil é uma das maiores do mundo. Segundo um estudo de 2016 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil é o país com a maior carga tributária em toda América Latina e Caribe: brasileiros pagam o equivalente a 33,4% do tamanho da economia em taxas e impostos.

Segundo o Professor de Direito Tributário da Faculdade PIO XII, Leonardo Marques, no Brasil, a carga tributária é tamanha, que o contribuinte brasileiro se sente desestimulado a empreender e a gerar riqueza. “A complexidade do sistema tributário também inibe os investimentos no país. Não bastasse isso, o cidadão repudia a obrigação de pagar tributo em razão da má gestão do dinheiro arrecadado”, explica.

Para o Professor do curso de Direito da PIO XII, Welber Correa, um dos motivos da elevada carga tributária brasileira decorre do custo Brasil. “A máquina administrativa é muito sobrecarregada. O governo tem um gasto elevadíssimo para a manutenção da máquina e, considerando que ele não produz nada, não vende produtos ou mercadorias, a única forma de arrecadação é por meio da instituição de impostos e taxas”, explica.

O Professor ainda acrescenta que os poderes legislativo, judiciário e executivo possuem gastos altíssimos que exigem da sociedade brasileira o pagamento de elevados tributos. “Só a título de informação, basta leitura simples do artigo 195 da Constituição Federal que verificaremos que compete a toda a sociedade de forma direta ou indireta contribuir para a seguridade social. Ora, toda a cadeia produtiva do país, em qualquer segmento, está sujeita ao pagamento de algum tipo de tributo. E também a inoperância estatal, a reserva de mercado nos conduz a essa situação absurda. Enquanto não houver uma reforma tributária, não deixaremos de ocupar esta posição vergonhosa”, conclui Welber.

Sem impostos

Nesta quinta-feira, dia 1º de junho, comerciantes da Grande Vitória vão vender produtos sem o valor dos impostos. A ação faz parte do “Dia da Liberdade de Impostos”, um ato de protesto contra a alta carga tributária que incide sobre os produtos e serviços.