Cinco dicas para estudar mais e em menos tempo

É só sentar para estudar que a sua cabeça começa a ir para todos os lugares menos para o livro. Nessa hora, entra o poder de concentração. Na base da falta de foco, estão velhos e novos vilões. O som hipnotizante da televisão, o toque repetitivo do celular, redes sociais e aplicativos de mensagens (como o WhatsApp) são alguns deles.

A sócia diretora da Nova Concursos, Juliana Pivotto, diz: se a raiz da distração está fincada na sua cabeça, algumas atitudes antes e durante o período de estudos podem ajudar. Ela dá dicas para aumentar o poder de concentração e conseguir estudar mais em menos tempo.

Para aumentar sua concentração
Antes

1 Preste atenção ao fluxo de respiração.

A sócia diretora da Nova Concursos, Juliana Pivotto, ressalta que investir dois minutos da sua atenção (apenas) no ritmo da respiração pode ser decisivo para baixar a ansiedade e melhorar a concentração. “É um exercício simples, que dá para fazer em casa e baixar a adrenalina”, disse. O candidato deve experimentar alongar o tempo de inspiração e, sobretudo, o de expiração durante estes minutos.

2 Foque em um ponto estático.

O esvaziamento da mente é um dos pressupostos da meditação cujo objetivo é conectar o praticante ao momento presente. Seus benefícios para ativar a capacidade de foco são propagados há milhares de anos. Para se ter uma ideia, na época do julgamento do mensalão, o então ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ayres Britto contou que 30 minutos diários de meditação bastavam para encarar com serenidade a pressão e a pesada carga de trabalho. Nunca tentou? Para começar, imagine, por alguns minutos, a chama de uma vela e tente controlar o movimento com a mente. “O desafio é não pensar em mais nada, o que é bem difícil”, diz Juliana.

Durante

3 Vá logo ao limite da sua capacidade mental.

Com mais tranquilidade, é hora de partir para os livros e apostilas. Mas não comece pelo caminho mais fácil, ou seja, aquela matéria que você já domina. Juliana destaca que assuntos complexos forçam a mente a trabalhar mais. “Quanto mais difícil, mais você terá que se concentrar e, assim, seu cérebro permitirá menos brechas para a distração”, recomenda.

4 Faça do estudo um jogo.

Criar um esquema de “autopremiação” pode ser o empurrãozinho que faltava para continuar motivado, segundo Juliana. Venceu um tópico daquela doutrina complicada? Gabaritou a lista de exercícios? Ponto para você. Estabeleça uma lista metas, e à medida que elas forem cumpridas, dê a si mesmo pequenos “presentes”, como pausas e momentos para estudar sua matéria preferida, por exemplo.

Depois

5 Anote o que tira a sua concentração.

Conhecer o “inimigo” é o primeiro passo para superá-lo. Por isso, Juliana indica também um exercício de autoconhecimento. A ideia é verificar o que o tira do foco e criar suas próprias estratégias para não se deixar vencer pela distração.
Fonte: Exame

Cinco dicas para estudar mais e em menos tempo

É só sentar para estudar que a sua cabeça começa a ir para todos os lugares menos para o livro. Nessa hora, entra o poder de concentração. Na base da falta de foco, estão velhos e novos vilões. O som hipnotizante da televisão, o toque repetitivo do celular, redes sociais e aplicativos de mensagens (como o WhatsApp) são alguns deles.

A sócia diretora da Nova Concursos, Juliana Pivotto, diz: se a raiz da distração está fincada na sua cabeça, algumas atitudes antes e durante o período de estudos podem ajudar. Ela dá dicas para aumentar o poder de concentração e conseguir estudar mais em menos tempo.

Para aumentar sua concentração
Antes

1 Preste atenção ao fluxo de respiração.

A sócia diretora da Nova Concursos, Juliana Pivotto, ressalta que investir dois minutos da sua atenção (apenas) no ritmo da respiração pode ser decisivo para baixar a ansiedade e melhorar a concentração. “É um exercício simples, que dá para fazer em casa e baixar a adrenalina”, disse. O candidato deve experimentar alongar o tempo de inspiração e, sobretudo, o de expiração durante estes minutos.

2 Foque em um ponto estático.

O esvaziamento da mente é um dos pressupostos da meditação cujo objetivo é conectar o praticante ao momento presente. Seus benefícios para ativar a capacidade de foco são propagados há milhares de anos. Para se ter uma ideia, na época do julgamento do mensalão, o então ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ayres Britto contou que 30 minutos diários de meditação bastavam para encarar com serenidade a pressão e a pesada carga de trabalho. Nunca tentou? Para começar, imagine, por alguns minutos, a chama de uma vela e tente controlar o movimento com a mente. “O desafio é não pensar em mais nada, o que é bem difícil”, diz Juliana.

Durante

3 Vá logo ao limite da sua capacidade mental.

Com mais tranquilidade, é hora de partir para os livros e apostilas. Mas não comece pelo caminho mais fácil, ou seja, aquela matéria que você já domina. Juliana destaca que assuntos complexos forçam a mente a trabalhar mais. “Quanto mais difícil, mais você terá que se concentrar e, assim, seu cérebro permitirá menos brechas para a distração”, recomenda.

4 Faça do estudo um jogo.

Criar um esquema de “autopremiação” pode ser o empurrãozinho que faltava para continuar motivado, segundo Juliana. Venceu um tópico daquela doutrina complicada? Gabaritou a lista de exercícios? Ponto para você. Estabeleça uma lista metas, e à medida que elas forem cumpridas, dê a si mesmo pequenos “presentes”, como pausas e momentos para estudar sua matéria preferida, por exemplo.

Depois

5 Anote o que tira a sua concentração.

Conhecer o “inimigo” é o primeiro passo para superá-lo. Por isso, Juliana indica também um exercício de autoconhecimento. A ideia é verificar o que o tira do foco e criar suas próprias estratégias para não se deixar vencer pela distração.
Fonte: Exame